Uma poltrona cor de rosa era o meu lugar favorito de leitura, quando adolescente.
Neste blog, minha nova poltrona cro de rosa, quero registrar textos que me tocaram, em dferentes fases da vida.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Ana Carolina Marques


Mecanização

Homens- robôs
Ou robôs- homens?
Qual a diferença?
Nenhuma...
Homens e robôs
Reflexos do mesmo espelho
O que um faz
O outro também faz
São dois robôs
Com a mesma dinâmica
De funcionamento
E daqui um tempo
As crianças das futuras gerações
Nascerão com manual de instrução.

Ana Carolina Marques

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Ana Stoppa


Água do Teu Mar

Conte amor mais uma mentira
Diz que sou razão de tua vida
Diga que jamais me esqueceu
Que não existiu o triste adeus

Mostre que sou o teu encanto
Beije minha boca com ternura
Diz que veio enxugar o pranto
Anuncie o fim desta amargura

Conte amor mais uma mentira
Diga que sou razão da tua vida
A luz da estrada ontem perdida
O bálsamo de tua alma dolorida

Vem depressa amor me amar
Cesse a angústia de meu olhar
Temos pouco tempo para sonhar
Preciso ser a água do teu mar.


Ana Stoppa



Alma de Poeta

Pobre alma distraída esqueceu a porta aberta
Emoções inesperadas invadiram-lhe as frestas
Sentiu a vida pulsar de uma forma indescritível
Experimentou sensações, voou como colibris.

Despertou da letargia, experimentou a alegria
Sorriu feliz para a lua, cirandou com as estrelas
Coloriu a tal saudade com os tons da amizade
Deu vida aos desejos, pulou as ondas do mar

Aprendeu a conjugar os tempos do verbo amar
Dançou a valsa de Strauss esqueceu-se da tristeza
Descobriu a vida bela e em versos a quis mostrar
Rabiscou as emoções, teceu histórias e poemas.

Hoje passeia feliz, mãos entrelaçadas com a paz
Ainda que surja a dor , ainda que o pranto role
Quando vem a inspiração entrega-se por inteiro
Prova em cada verso o sabor do amor primeiro.

Ana Stoppa.